Blog

11
nov

HandsFree: tecnologia para incluir e facilitar a vida de pessoas com deficiência

Por: Mariel Ramos

O que pode acontecer quando a gente se depara com a diferença? Para o pessoal do HandsFree, de Jaboatão dos Guararapes, Pernambuco, um encontro inesperado provocou empatia num nível máximo e se tornou o ponto de virada da vida de muitas pessoas.

Na festa do casamento de um amigo, Sérgio Maymone conheceu um tetraplégico. Inicialmente, ficou inseguro e não sabia o que fazer. Sérgio soube de suas dificuldades e limitações, os dois se tornaram amigos e era o princípio de uma revolução na vida deles e de vários outros.

Sergio

Sérgio ficou muito motivado para criar uma solução que ajudasse o amigo e outras pessoas com deficiência a se tornarem mais ativas – e é muita gente, só no Brasil são mais de 3 milhões de pessoas com alguma deficiência motora, segundo  o IBGE. Começou a pesquisar sobre tecnologias assistivas, encontrou equipamentos caros, mas também soluções desenvolvidas por entidades de todo o mundo que podem ser baixadas gratuitamente pela Internet.

Algumas dessas tecnologias poderiam ajudar muito nas atividades cotidianas, usando um simples movimento de cabeça ou comando de voz. Sérgio passou a usar as horas vagas e os fins de semana para desenvolver a ideia. O primeiro protótipo do HandsFree foi para a Fundação Perrone, instituição que atua na reabilitação de crianças com deficiência.

Para tornar mais amigável a integração entre o hardware e os softwares do equipamento, entrou em cena outro amigo, Filipe Silva, desenvolvendo a parte técnica do software e a eletrônica. Filipe deixou o emprego para se dedicar exclusivamente ao projeto.

Era a vez de Philippe Magno, gestor de marketing, fazer parte do time. “Quando vi o primeiro protótipo, um emaranhado de fios com um sensor na ponta que fazia a TV ligar e desligar, fiquei encantado. Chegamos à conclusão que precisávamos de um produto de baixo custo mas de grande eficácia”, conta. E foi assim a solução criada pelos três, que usa tecnologias open source, custa apenas R$ 1.000,00 e permite automação na casa da pessoa com deficiência, controle do computador pelo movimento da cabeça ou comandos de voz, ditado de textos e buscas na Internet com reconhecimento de voz e acesso a uma plataforma de ensino à distância. Veja nesta reportagem como tudo funciona.

Este ano eles criaram o Instituto HandsFree e participaram do SGB Lab, ficando entre os seis finalistas. Agora procuram parceiros para a fabricação, e a cada equipamento vendido um será doado.

No site pessoas com deficiência interessadas podem ser cadastradas na lista de espera para recebimento da tecnologia e é lá que você também pode ajudar a financiar a ideia.

12144958_899281780125196_8285868568746510406_n

Philippe Magno, que é especialista em Marketing Educacional e autor do livro “Humanizar, o Cuidado pela Vida”, é quem vem apresentar o pitch do HandsFree nesta quinta, primeiro dia do Seminário SGB, e você poderá acompanhar essa história ao vivo, online, inscreva-se aqui.

Avalie este post

Avalie os seus casos social good preferidos selecionando as estrelinhas abaixo!



Comentários


Veja mais histórias inspiradoras