Blog

13
dez

4 lições que aprendemos com Oswaldo Oliveira

Por: Cintya

No último domingo, (10/12), fomos surpreendidos pelo falecimento de Oswaldo Oliveira. Ele foi economista por formação e um dos pioneiros no pensamento colaborativo no Brasil, mas não acreditava que uma pessoa fosse definida apenas por um cargo ou profissão — ou qualquer aspecto que se encaixe em um padrão. Em uma de suas participações no Seminário SGB, em 2014, ele se definiu assim: “O meu nome é Oswaldo, e eu faço o que eu posso.”

23004731_1476365782416790_2692974546666028043_o

O Oswaldo acreditava que o poder das pessoas é infinito, e que todos nós temos uma experiência única para viver neste mundo. O que deixamos nesse mundo é a nossa experiência de ter vivido nele. Por isso, reunimos neste post nossa interpretação de 4 lições que aprendemos com ele.

 

1- O poder da inclusão e da diversidade

Cada ser humano é resultado de um conjunto de experiências únicas que cada um vive. E, se, cada experiência é um aprendizado, cada pessoa nova é um universo de conhecimentos e de possibilidades que você ainda não teve acesso. Pessoas com trajetórias e experiências de vida diversas trocando experiências juntas geram abundância de possibilidades — e é aí que aparecem as grandes ideias e os pontos de vista disruptivos e inovadores.

Pessoas juntas formam um sistema integrado, abundante e rico em recursos. Se isso for acionado em forma de rede, os recursos tornam-se infinitos, ao ponto de a gente abraçar uma ótica de abundância e de recursos ilimitados.

 

2 – Acredite na sua intuição

Toda a coragem de que precisamos está dentro do nosso coração. Nossa criatividade está ligada àquilo que desejamos lá no fundo. O que você quer, aquilo que sempre te atraiu é o que vai te dar energia para seguir em frente. A nossa atração é aquilo que mais vibra em nosso coração. Se a gente se guia pelas nossas atrações, a vida vai nos encaminhando para as experiências que precisamos viver.  A intuição nos leva à evolução. Pense com seu o coração, e organize o pensamento com a mente.

Confiar em nossa intuição também significa ter plena consciência de que nossas atitudes são de nossa total responsabilidade. Você é seu próprio guru, seu maior mestre.

 

3 – Entenda seus medos

Para vivermos em rede, precisamos nos conhecer profundamente. Isso inclui entender o que nos causa medo e como reagimos a ele. O medo é um mecanismo de sobrevivência que vem do nosso lado mais racional. Ele pode ser importante, claro, mas também limita nossas experiências e nosso aprendizado. Por isso, é importante entendermos o que nos causa insegurança e viver mais experiências que nos levem a vencer esse medo. O medo cria a necessidade de controle e a gente tenta impedir a experiência de vida. O poder está em nós — não existe poder fora da gente.

4 -Uma escolha não é necessariamente uma renúncia

Desde pequenos somos treinados a fazer escolhas binárias: sim e não. Mas nem toda escolha é uma renúncia. Você não precisa excluir um mundo de possibilidades quando opta por um caminho — é só não pensar dessa forma. A vida é feita de ciclos, e nossas escolhas são temporárias. Quando deixamos de aprender ou ensinar em algum ambiente ou projeto, é hora de mudar. Quando um ciclo se encerra, todas as outras possibilidades do mundo estão ali para você. Inovar é quebrar a tradição e não ter medo de sair de um ciclo já conhecido.

 

Reunir esses pensamentos aqui foi a forma que nossa equipe encontrou para homenagear o Oswaldo. Agradecemos muito por termos tido a oportunidade de aprender e conviver com ele <3
Em 2015, o Oswaldo conduziu um webinário sobre o empreendedorismo em você para a turma de Agentes SGB. Acesse aqui para aprender mais um pouquinho com ele.


Comentários


Você poderá gostar também de...