Comece agora

Crianças/jovens

Seu projeto Social Good
não está aqui?

Envie pra gente
10

Gostou do projeto e quer fazer parte desta iniciativa?

Comece agora

Projeto Caminho dos Livros pela Floresta Amazônica

O Projeto Caminho dos Livros pela Floresta Amazônica tem o intuito de levar a leitura às crianças e adolescentes do Amazonas.

Ação

Projeto Caminho dos Livros pela Floresta Amazônica

O que é?

O Projeto Caminho dos Livros pela Floresta Amazônica tem o intuito de levar a leitura às crianças e adolescentes moradoras de comunidades tradicionais localizadas no Sul do Amazonas, para isso, contemplará pequenas escolas localizadas nestas comunidades com a doação de livros.
Devido a distância e as dificuldades de acesso, as poucas escolas dessa região não possuem nenhum tipo de biblioteca.

Como funciona?

O projeto arrecadará livros voltado ao público infantojuvenil e promoverá a entrega para estas escolas, proporcionando às crianças e adolescentes ampliar seus horizontes e conhecimentos através da leitura.
Como incentivo para a doação de livros são feitas palestras nas escolas do município sobre a importância da leitura e a possibilidade de contribuir com o projeto “Caminho dos Livros pela Floresta Amazônica”, onde qualquer pessoa que queira poderá fazer parte deste projeto e ajudar a construir pequenas bibliotecas nas escolas destas comunidades tradicionais.
O Projeto busca também a doação de livros através das redes sociais. Criamos uma página no Facebook apresentando o projeto, a possibilidade de doação de livros e também divulgamos todas as ações desenvolvidas no projeto.
Além disso, o projeto tenta conectar pessoas para voluntariar-se no projeto através de outras comunidades e páginas da internet que apoiam ações sociais.

Qual o público beneficiado?

O Projeto pretende contemplar as seguintes escolas rurais:

I – Escola Municipal Piuntuba – localizada a 100 km da sede do município de Apuí (AM) as margens esquerda do Rio Aripuanã. Possui 12 (doze) alunos e não possui biblioteca;
II – Escola Municipal Rio Roosevelt – Localizada as margens direita do Rio Aripuanã subindo, Possui 06 (seis) alunos e não possui biblioteca;
III – Escola Municipal João Paulo II – Localizada as margens direita do Rio. Possui 11 (onze) alunos e não possui biblioteca;
IV – Escola Municipal Nossa Senhora do Carmo – Localizada a 100 km da sede do município de Apuí (AM) na BR 230, Km 110, comunidade Vila do Carmo, cujo acesso se dá pelo Rio Aripuanã. Possui 25 (vinte e cinco) alunos e não possui biblioteca;
V – Escola Municipal Perpétuo Socorro – Localizada a 172 km da sede do município de Apuí (AM) , as margens esquerda do Rio Aripuanã Km 172, cujo acesso se dá pelo Rio Aripuanã. Possui 12 (doze) alunos e não possui biblioteca;
VI – Escola Municipal Salva Terra – Localizada a 165 km da sede do município de Apuí (AM) cujo acesso se dá pelo Rio Aripuanã. Possui 08 (oito) alunos e não possui biblioteca;
VII – Escola Municipal Areal – Localizada a 135 km da sede do município de Apuí (AM) na Comunidade Areal Rio Aripuanã Km 135. Possui 06 (seis) alunos e não possui biblioteca;
VIII – Escola Municipal São Benedito – Localizada as margens do Rio Tapajós Km 200. Possui 09 (nove) alunos e não possui biblioteca;

As escolas receberão livros arrecadados durante a campanha e terão condições de montar uma pequena biblioteca.

Quem pode colaborar?

Qualquer pessoa poderá contribuir com o projeto, físicas ou jurídicas.
Os apoiadores do Projeto serão identificados da seguinte maneira:
APOIADOR: Qualquer pessoa física ou jurídica que fizer doações de pequena quantidade de livros ao projeto.
PATROCIDADOR: Empresa e/ou Instituição que, através do Termo de Adesão, doar:
a)100 (cem) livros de literatura voltada ao público infantojuvenil;
b) 50 (cinquenta) camisetas estampadas com o logo do projeto Caminho dos Livros pela Floresta Amazônica;
c) 02(dois) banner do projeto, onde um poderá seu usado no estabelecimento do patrocinador e outro utilizado pela coordenação do Projeto Caminho dos Livros pela Floresta Amazônica;
PADRINHO/MADRINHA: Pessoa física que doar ao projeto:
a) 100 (cem) livros de literatura voltada ao público infantojuvenil;

Como posso me engajar?

Através da doação de livros de literatura infantil ou juvenil , novos ou usados.
Divulgando o projeto.

Idealizador

Cristiane Vieira Maciel da Silva Brasileira

agnes-cidadania-1

Gostou do projeto e quer fazer parte desta iniciativa?

Comece agora

Agnes Cidadania

A Agnes Cidadania usa a dança como chave para transformação de uma comunidade em Minas Gerais.

Ação

Agnes Cidadania

O que é?

O grupo Agnes é uma companhia de dança formada por moradores da região da Vila Santa Rita em Belo Horizonte. Através da dança os seus integrantes construíram sua própria cidadania, numa região muito violenta e com baixíssimo IDH no município de Belo Horizonte, MG. Usando a dança como ferramenta os membros deste grupo, oferecem de maneira voluntária, aulas de balé, danças urbanas e contemporânea para crianças, adolescentes e jovens do território. Desde 2012 já são mais de 300 pessoas atendidas, em 2016 são 80 alunas e alunos. O grupo só tem como apoio o local para a realização das aulas. Vale destacar que os professores/idealizadores são moradores do território e que trabalham durante o dia e mesmo assim, ininterruptamente doam seu tempo e sua arte desde 2012.

Como funciona?

Os integrantes da Cia Agnes dividem-se em professores de balé, danças urbanas e contemporânea. As aulas acontecem:
Segundas-feiras das 17 às 19h duas turmas de danças urbanas, sendo a das 17 para crianças e a das 18h para adolescentes e jovens. Quartas-feiras são uma turma de balé para crianças às 18h e outra de dança contemporânea para adolescentes e jovens às 19h.
As sextas são duas turmas de balé as duas às 18h.
As aulas acontecem no Centro Cultural Vila Santa Rita, que colabora com a cessão do espaço para as atividades.

Qual o público beneficiado?

Crianças, adolescentes e jovens.

Quem pode colaborar?

Qualquer pessoas física ou jurídica, exceto partidos políticos.

Como posso me engajar?

Entrando em contato, conhecendo o projeto e ajudando na divulgação do projeto, de suas aulas e espetáculos.

Idealizador

Stella Soares, Emerson Guilherme, Poliana Silva e Ricardo Ulpiano.

trio-sopro-meninos

Gostou do projeto e quer fazer parte desta iniciativa?

Comece agora

Som da Vila e escola de educação infantil

O Som da Vila promove educação infantil através de creche e música!

Ação

Som da Vila e escola de educação infantil

O que é?

Uma escola filantrópica que atende adolescente e jovens na Orquestra de Música Erudita; na creche, 90 crianças de 3 a 5 anos. Todas são de famílias de baixa renda cuidadas por mulheres trabalhadoras.

Como funciona?

Trata-se de uma escola legalizada com equipe técnica pedagógica conforme a legislação brasileira determina. Buscam promover Educação Infantil Cidadã contribuindo com o desenvolvimento de seres humanos éticos, críticos, conscientes, participativos e solidários.

Qual o público beneficiado?

Crianças, adolescente, jovens e mulheres chefes de família. Atuamos em São João de Meriti (RJ).

Quem pode colaborar?

Todo mundo!

Como posso me engajar?

O primeiro passo é conhecer a escola: os beneficiários, página no Facebook,  beneficiários, instalações e participar do dia-a-dia.

Você pode contribuir fazendo um vídeo, divulgando o projeto, captando recursos – tanto financeiro, como mão de obra qualificada – e assim, apoiar no desenvolvimento do projeto.

Mais informações: (21) 2751-2195

Idealizador

Núbia e Pedro Gomes, moradores do bairro Vila São José há quase 25 anos.

geraçãocareat

Gostou do projeto e quer fazer parte desta iniciativa?

Comece agora

Projeto Social Geração Careta

O Geração Careta quer transformar a vida de jovens em comunidades de baixa renda.

Ação

Projeto Social Geração Careta

O que é?

O projeto existe há 13 anos e tem como objetivo manter jovens longe da violência através da promoção de esportes e aulas pré-vestibular. Tudo de maneira gratuita para a comunidade de Niterói (RJ).

Como funciona?

O Geração Careta acontece no Complexo Esportivo do Caio Martins. São várias atividades propostas, entre elas: Muay Thai, Jiu-Jitsu Brasileiro, Taekwondo, Natação, Hidroginástica, pré-vestibular comunitário. O projeto é divulgado em escolas e redes sociais, além das indicações por parte de quem participa.

Qual o público beneficiado?

O foco são jovens carentes de comunidade e estudantes de escola pública, mas todos podem participar.

Para isso, basta preencher uma ficha. A única limitação é o espaço e, consequentemente, o número de vagas.

Quem pode colaborar?

Sabe dar aulas sobre conteúdo de ensino médio ou entende de artes marciais? Vem ser um professor voluntário!

Além disso, qualquer um pode apoiar patrocinando materiais (luvas, protetores, sacos de areia, etc.) ou divulgando o projeto.

Como posso me engajar?

Dando aulas, patrocinando materiais ou divulgando a iniciativa.

Estamos localizados no seguinte endereço: Complexo Esportivo Caio Martins – R. Pres. Backer, S/N – Icaraí, Niterói – RJ, 24220-041

Idealizador

Sandro Araújo

MaisLar

Gostou do projeto e quer fazer parte desta iniciativa?

Comece agora

Espaço Mais Vida

O Espaço Mais Vida trata-se de um ambiente que busca proporcionar a reintegração de crianças e jovens à sociedade.

Ação

Espaço Mais Vida

O que é?

Somos uma ONG responsável por 60 crianças e adolescentes, entre 0 meses e 17 anos, encaminhadas ao Espaço Mais Vida pelo Poder Judiciário, Conselho Tutelar e Serviço SOS Criança. Fomos o primeiro abrigo com a proposta de não confinamento, reintegrando efetivamente crianças, futuros cidadãos à sociedade.

Como funciona?

O Clima da casa é o de proteção e apoio sem que a criança se sinta privada da liberdade. A Criança/Adolescente é levada a participar ativamente da vida da casa, o que a conduz a substituir a passividade pela autonomia, o papel de criança carente pelo de criança com potencial.

Desenvolvemos trabalhos inéditos que vão além do mote inicial da Instituição, como a ajuda na intermediação para a reabilitação social das famílias que perdem a guarda de seus filhos por estar abaixo da linha da pobreza e não poder dar o básico as crianças, onde levantamos as necessidades desta família e na intermediamos o contato com associações ou empresas com o objetivo de ajudá-los em temas como moradia, emprego e re-educação.

Qual o público beneficiado?

Criança/Adolescente (entre 0 meses e 17 anos)

Quem pode colaborar?

Pessoas e empresas

Como posso me engajar?

Você ou sua empresa podem ajudar prestando algum tipo de serviço (como organização de eventos, engenheiro, eletricista, encanador, entre outros) e contribuindo mensalmente com mais de R$30. As empresas são incentivadas a patrocinar projetos (manutenção e reforma do local) e as pessoas, a serem voluntários.

Idealizador

Sociedade dos Voluntários FEBEM

logo-caindo-no-brasil

Gostou do projeto e quer fazer parte desta iniciativa?

Comece agora

Caindo no Brasil

O Caindo no Brasil quer divulgar histórias de pessoas e iniciativas que querem transformar a educação no país.

Ação

Caindo no Brasil

O que é?

Uma agência de comunicação especializada em educação brasileira

Como funciona?

O Caindo no Brasil tem três frentes de atuação:

– curadoria de projetos: apoio à produções audiovisuais e eventos na curadoria de conteúdo, buscando sempre projetos locais para enriquecer a grade da iniciativa e dar a possibilidade de iniciativas serem conhecidas em outros espaços

– produção de conteúdo: apoio à institutos e fundações para a divulgação de seus projetos em linguagem e formatos mais acessíveis para todos

– projetos autorais: criação de conteúdos com selo Caindo no Brasil para divulgação de teorias, boas práticas e ferramentas que possam fomentar as alternativas educacionais brasileiras. Atualmente, além das redes sociais e site, o Caindo no Brasil tem o livro que conta sobre os principais projetos conhecidos na viagem pelo país e uma assinatura semanal de conteúdos via WhatsApp para usuários aprenderem mais sobre alternativas educacionais brasileiras

Qual o público beneficiado?

Escolas, projetos sociais e ações individuais que estão trabalhando para uma educação de qualidade e para alternativas educacionais que vão além do ensino conteudista

Quem pode colaborar?

Qualquer pessoa pode enviar conteúdos para colaborar

Como posso me engajar?

Apoiando na criação de conteúdos e indicações de boas práticas

Idealizador

Caio Dib iniciou o Caindo no Brasil com um projeto de viagem pelo Brasil de ônibus em 2013 para conhecer iniciativas que fazem a diferença na educação brasileira

file6377

Gostou do projeto e quer fazer parte desta iniciativa?

Comece agora

Como Aprender Violão: Educação musical divertida e acessível

Levar a educação musical para todo canto deste país é um sonho que você pode ajudar a tornar realidade.

Ação

Como Aprender Violão

O que é?

O projeto vai mudar a realidade da educação musical no país e consequentemente a realidade socio-cultural. Vamos fazer aulas com qualidade a nível internacional para todos os brasileiros participarem pela internet ou pessoalmente em eventos físicos. O sonho do Como Aprender Violão é realizar o sonho dos brasileiros com a música.

Como funciona?

Levamos aulas virtuais e oficinas presenciais gratuitas para milhões de brasileiros, tenham eles internet ou não, dinheiro ou não, conhecimento musical ou não. Levamos educação musical de qualidade inédita para quem quiser aprender e se divertir.

Qual o público beneficiado?

Milhões e milhões de crianças, pais, avós, estudantes, amadores, donas de casa, enfim, os brasileiros que são naturalmente inclinados à música mas que vêm seus sonhos frustrados e seus potenciais adormecidos por não terem acesso à educação musical gratuita e de qualidade.

Quem pode colaborar?

Empresas, investidores, agentes de divulgação, voluntários para propagação da ideia, pessoas públicas, pessoas comuns… Todo o Brasil!

Como posso me engajar?

O engajamento pode ser online ou offline. Teremos oficinas no país inteiro e queremos tornar a internet repleta de boa educação musical. Vídeos interativos, eventos gratuitos nas capitais e no interior do país, festivais e concursos são algumas das formas de engajamento.

Idealizador

Professora Amanda de Andrade