Comece agora

Plataformas colaborativas

Portais e aplicativos colaborativos são oportunidades para você também se engajar em causas sociais. Conheça iniciativas que buscam a participação de pessoas em todo o mundo!

Seu projeto Social Good
não está aqui?

Envie pra gente
logo_final_

Gostou do projeto e quer fazer parte desta iniciativa?

Comece agora

Bem Me Quer

Bem Me Quer é um aplicativo de combate a relacionamentos abusivos que estimula a visão crítica e ajuda a tomar decisões.

Ação

App Bem Me Quer

O que é?

Relações abusivas se caracterizam por ciclos progressivos de abuso psicológico (repressão moral, invasão de privacidade, manipulação) e violência física. . Tomar consciência de que ações da/o companheira/o podem ser formas de violência é, muitas vezes, um processo demorado em razão da nossa cultura, do vínculo afetivo, do caráter íntimo, cíclico e progressivo dos abusos. A baixa autoestima e o isolamento social, por vezes imposto pela/o companheira/o, facilita a naturalização da violência e afasta do convívio pessoas que poderiam oferecer ajuda e aconselhamento às vítimas.

Como funciona?

No aplicativo a vítima é diariamente convidada a responder sobre como se sente em relação ao outro e relatar se algo aconteceu. Estes dados alimentam gráficos e criam um histórico de ocorrências, explicitando o problema cíclico e reforçando a importância documental das percepções da vítima (prejudicadas pelo isolamento social e naturalização dos abusos).

Qual o público beneficiado?

O público beneficiado é amplo, composto por maioria jovem, que se relaciona e que tenha notado nx parceirx algum comportamento abusivo reincidente (agressividade, manipulação, repressão, humilhação, perseguição ou invasão de privacidade). Há uma tendência histórica de que mulheres, em relações heterossexuais, estejam mais sujeitas aos abusos em decorrência da cultura patriarcal residual que ainda molda estereótipos e dita condutas na sociedade.

Quem pode colaborar?

Vítimas de relacionamentos abusivos dispostas a oferecer depoimentos de suas experiências, ONGs associadas ao tema e também ao movimento feminista e LGBT que possuam profissionais de comunicação, instituições públicas em razão do aplicativo possuir um viés preventivo das variadas doenças e transtornos afetivos decorrentes de abusos, profissionais das áreas da Psicologia, Saúde e Usabilidade de Software, que possam oferecer respaldo técnico sobre a eficiência e sobre o protótipo que está em desenvolvimento. Por fim, qualquer pessoa que se interesse pela causa e que possa ajudar no financiamento e divulgação (futura) da ferramenta!

Como posso me engajar?

O projeto está em fase de protótipo. Qualquer ajuda relativa às necessidades mencionadas no tópico “Quem pode colaborar?”, podem ser encaminhadas por e-mail para karinanishioka@gmail.com

Idealizador

Karina Nishioka – artista plástica e estudante de Administração.

15078750_1794141677509048_1145804501701171427_n

Gostou do projeto e quer fazer parte desta iniciativa?

Comece agora

Parte e Reparte: uma plataforma para contribuição

Peça o que precisa e doe ou empreste o que o está sobrando. Conheça a Parte e Reparte!

Ação

Parte e Reparte

O que é?

Trata-se de uma plataforma colaborativa para doações, que conecta você às pessoas mais próximas da sua localização e que desejam Partir e Repartir.  Gente ajudando gente. Você pode doar alimentos, roupas, brinquedos, livros, remédios e o que mais quiser.

Descubra pessoas que estão perto de você e ajude! A plataforma também permite que você seja avisado quando alguém doar algo que você necessite.

Então, sabe aquela reforma em casa que você está planejando… vai se desfazer de algo? Sabe aquele remédio que sobrou, aquele tênis que você não curte mais? Não jogue fora objetos que podem ser reutilizados por outras pessoas. Além de ser solidário, você ajuda o meio-ambiente.

O que nos move é a possibilidade de promover a solidariedade entre as pessoas.

Como funciona?

São apenas 3 passos:

Não é preciso um motivo especial para ajudar alguém. Não importa a razão, após doar ou emprestar você se sentirá bem sabendo que ajudou alguém, por isso, pensamos em algo simples e fácil para facilitar esse processo.

1) Faça seu cadastro.
2) Escolha entre doar, emprestar ou pedir doação.
3) Cadastre e publique sua doação ou seu pedido de doação.

Qual o público beneficiado?

A sociedade em geral, mas principalmente, do terceiro setor.

Quem pode colaborar?

Todas as pessoas podem participa. Nosso objetivo é incentivar solidariedade conectando pessoas.

Como posso me engajar?

Você participa ao se cadastrar no site e colaborar com as trocas da plataforma.

Idealizador

Leandro Sanfer

acessibilidade_no_comercio_daiana_mc__5_-1181900

Gostou do projeto e quer fazer parte desta iniciativa?

Comece agora

Facilita Mobile: Mapa de acessibilidade

Através do aplicativo, você pode ajudar contribuir com um mapa da acessibilidade e ajudar pessoas com mobilidade reduzida.

Ação

Facilita Mobile

O que é?

Aplicativo nas plataformas Android e iOS, cuja função é indicar antecipadamente quais recursos acessíveis os usuários irão encontrar em locais de uso público e privado, pontuando qual o nível da acessibilidade oferecida. Serve também como ferramenta de divulgação de produtos, serviços e promoções oferecidos pelos estabelecimentos.

Como funciona?

Será produzido um aplicativo para smartphones, que contará com as tecnologias assistivas (áudio descrição). Ele informará através da geo localização as facilidades encontradas de acesso, além de informações de produtos e serviços e promoções ofertados aos utilizadores do aplicativo. Poderá ser alimentado pelas informações dos clientes que já os utilizaram, inclusive avaliando, os estabelecimentos e serviços de forma colaborativa ou mesmo por visitas da equipe do aplicativo que irá realizar o mapeamento. O aplicativo terá suporte em tempo real por uma central de atendimento. A ideia inicial é oferecer para os usuários finais gratuitamente em stores de app. O serviço será mantido com a cobrança de mensalidades dos anunciantes – que contaram com uma ferramenta de divulgação valiosa de seus produtos e serviços, aliando responsabilidade social a seus produtos, serviços e marcas. É uma forma de movimentar a economia através da inclusão de novos clientes que não tinham acesso às informações.

Qual o público beneficiado?

Primeiramente, pessoas com deficiência e mobilidade reduzida – como obesos, gestantes e idosos. Porém, é fato que acessibilidade é para todos. Quando um familiar ou amigo é acolhido de forma digna a serviços e produtos, por afinidade, esses criam vínculos positivos aos estabelecimentos ou marcas. Todas as pessoas serão beneficiadas pelo aplicativo Facilita.

Quem pode colaborar?

Parceiros (empresas que oferecem produtos ligados as acessibilidades), empresas aceleradoras de produtos, startups, empresas de comunicação e smatphones, além de pessoas interessadas em participar de alguma forma colaborando com suas experiências e qualificações.

Como posso me engajar?

Você pode ser um parceiros no projeto e na produção do produto. Ser um fornecedor agregador de produtos de tecnologias de comunicação. Todos podem ajudar na etapa de utilização e avaliação do produto, dos estabelecimentos e serviços anunciantes. Esses colaboradores terão acesso a promoções e brindes por participarem de forma colaborativa do app.

Idealizador

Carlos Ramires

Gostou do projeto e quer fazer parte desta iniciativa?

Comece agora

Sem Esculacho

Estamos cansados de abordagens abusivas, repressões a manifestações, flagrantes forjados, agressões, extorsões, prisões arbitrárias, torturas e execuções feitas por agentes públicos no Rio de Janeiro.

Ação

#SemEsculacho

O que é?

Uma nova ferramenta de autodefesa do cidadão carioca contra esculachos.

Como funciona?

Um grupo de ação para ajudar a divulgar essa ferramenta, chegar junto em mobilizações e participar de oficinas e formações sobre o uso de vídeos em abordagens abusivas.

Público beneficiado pelo #SemEsculacho

Todas as pessoas que moram na cidade do Rio de Janeiro.

Objetivos

Parar com abordagens abusivas, repressões a manifestações, flagrantes forjados, agressões, extorsões, prisões arbitrárias, torturas e execuções feitas por agentes públicos no Rio de Janeiro.

Como posso me engajar?

A plataforma vai ser lançada em janeiro, até lá, você pode se voluntariar para participar do grupo de ação.

Idealizador

Meu Rio

Temos que falar sobre isso

Gostou do projeto e quer fazer parte desta iniciativa?

Comece agora

Temos que falar sobre isso

Falar é muito importante. É o primeiro passo para reconhecer um problema, levanta consciência sobre um tema e gera identificação. Pensando nisso, foi criado o Temos que falar sobre isso, uma rede de apoio à maternidade.

Ação

Temos que falar sobre isso

O que é?

Uma plataforma de relatos anônimos de mães que tiveram depressão pós-parto e outros transtornos ligados à saúde mental na materinidade, como distúrbios no período perinatal, dificuldades durante a gravidez, problemas durante a amamentação, perda gestacional, partos traumáticos e violência obstetrícia.

Como funciona?

A proposta é oferecer informação e acolhimento à mães carentes de apoio. O atendimento é feito sem nenhuma burocracia ou comprometimento financeiro.É necessário falar sobre a parte difícil da maternidade, visto que grande parte das mulheres passa por algum tipo de desafio durante este período. E falar é o primeiro passo para curar e dar oportunidades para outras pessoas escutarem e se identificarem, criando identificação e consciência através de uma plataforma digital, entrem em contato com seus sentimentos e procurem ajuda de qualidade em suas regiões.

Objetivos

Apoiar mulheres e ajudá-las a lidar com com suas expectativas em relação a maternidade, que muitas vezes são irreais devido a influência das imagens midiáticas.

Qual o público beneficiado?

O serviço é focado na mulher e no bebê, mas os benefícios se estendem para toda a sociedade.

Quem pode participar?

Profissionais da área da saúde, mulheres que já passaram por dificuldades durante a gravidez e maternidade, além de empresas dispostas a contribuir com o projeto, que possa ampliar sua atuação.

Como posso me engajar?

Qualquer pessoa pode se engajar divulgando o projeto, fazendo chegar a quem precisa de apoio e acolhimento.

Idealizadores

Thais Cimino

bonita

Gostou do projeto e quer fazer parte desta iniciativa?

Comece agora

Bonita Também

Todas as mulheres são bonitas: cada uma a sua maneira. Para empoderar mulheres resgatando sua auto-estima foi criado o Bonita Também.

Ação

Bonita Também

O que é?

Bonita Também é um projeto colaborativo que usa as mídias sociais para divulgar depoimentos de mulheres sobre beleza e autoestima.

Como funciona?

A plataforma é composta por um Tumblr e uma página no Facebook, que buscam dar apoio e referência na construção de sua identidade com imagens que vão além do que a mídia tradicional expõe. Depoimentos podem ser enviados por qualquer pessoa para o e-mail bonitatambem@gmail.com. Cada mensagem postada fica disponível para receber comentários positivos e de incentivo, criando uma rede de apoio e acolhimento.

Objetivos

Usar as mídias sociais para acolher e encorajar mulheres. Uma mensagem verdadeira recebida no momento certo pode mudar um ponto de vista sobre si mesma para melhor.

Qual o público beneficiado?

Mulheres de todas as idades.

Quem pode participar?

Mulheres que desejarem compartilhar sua história, além de pessoas que tem o desejo de buscar inspiração e apoiá-las através de mensagens positivas.

Como posso me engajar?

Qualquer pessoa pode ajudar a divulgar! Basta curtir a página no Facebook e compartilhar os cards de mensagens positivas. Também vale convidar mães, amigas, irmãs e quem mais pode se interessar.

Idealizadores

Teresa Rocha

1907477_376570369196717_469233830054927705_n

Gostou do projeto e quer fazer parte desta iniciativa?

Comece agora

Criativos da Escola – Design for Change

Autoconhecimento, pensamento crítico e colaboração: projeto inspira crianças e adolescentes a desenvolver essas habilidades tão necessárias para o século 21!

Ação

Criativos da Escola/Design for Change

O que é?

Sentir, imaginar, fazer e transformar, usando de verdade empatia, protagonismo, criatividade e trabalho em equipe. Essas são as bases deste movimento que está em mais 30 países, inclusive no Brasil, e que inspira crianças e adolescentes a transformarem suas realidades. Com apoio de professores, as ideias que partem dos alunos se concretizam e eles se tornam agentes da mudança, ao mesmo tempo que exercitam habilidades fundamentais deste século.

Como funciona?

No site é possível baixar um material de apoio e um passo a passo bem prático e envolvente para implementar o projeto com um grupo de crianças e adolescentes. Os grupos também podem participar do Desafio Criativos da Escola, uma premiação que reconhece as melhores dessas iniciativas e está com inscrições abertas até 31 de julho.

Objetivos

Empoderar crianças e adolescentes com as habilidades necessárias neste século: autoconhecimento, boa comunicação, pensamento crítico, colaboração, criatividade, ética e a capacidade de se relacionar com outras pessoas, resolver problemas e tomar decisões.

Quem pode participar?

Educadores, gestores de escolas, crianças e adolescentes de 9 a 15 anos e a população e organizações de cada local onde o projeto se desenvolve.

Como posso me engajar?

Divulgue a ideia, baixe o material de apoio, incentive a criação de grupos!

Idealizador

Instituto Alana