Agricultura familiar com inteligência de dados: a startup Sumá

Batizado com o nome da deusa tupi-guarani da agricultura, o Sumá é uma plataforma que conecta agricultores familiares com compradores recorrentes de alimentos, como hotéis, restaurantes e cozinhas industriais. De acordo com a ÉPOCA Negócios, o Sumá é hoje uma das 100 startups mais significativas no país. Ao mesmo tempo de ser um modelo de negócio atraente para investidores e aceleradoras, a empresa impacta de forma positiva a vida de agricultores familiares e contribui para melhorar a alimentação da sociedade.
A equipe fundadora do Sumá trabalhava anteriormente em projetos em campo com agricultura familiar. A tecnologia surgiu como uma alternativa de conseguir fazer um acompanhamento permanente de agricultores e cooperativas na produção. De acordo com Daiana Lerípio, cofundadora da startup, a plataforma permitiu uma assertividade proporcionada por informações sistematizadas de mercado, que orientam o planejamento da produção agrícola em um determinado território, além de atingir um aumento exponencial da base de agricultores, compradores e de valores comercializados.
Antes de colocarem o Sumá em prática, os idealizadores da startup participaram do SGB Lab, em 2016, para entenderem as melhores estratégias de uso da plataforma.  Na próxima semana, o Sumá estará junto ao Social Good Brasil no SingularityU Brasil Summit, evento que vai reunir as principais lideranças e empreendedores do Brasil para discutirem sobre como as tecnologias exponenciais (como robótica, inteligência artificial e big data) estão transformando os negócios da humanidade.
A plataforma
A tecnologia utilizada pelo Sumá chama a atenção dos agricultores, não somente por fazer o intermédio entre potenciais clientes, mas também por usar uma inteligência que qualifica e otimiza o trabalho de campo. Criado no modelo MobileFirst (em que o foco inicial da arquitetura é direcionado a dispositivos móveis e em seguida para desktop), a plataforma também pode ser acessada offline, considerando que o público agricultor muitas vezes sofre com dificuldades na qualidade de rede em suas regiões ou até não possuem sinal de internet.
Para os agricultores familiares é oferecido o modelo freemium de acesso à plataforma. O aplicativo é acessado por meio de mensalidades (fee). Os compradores de alimentos pagam uma taxa de corretagem por compra efetuada via plataforma, alinhada com a redução de custos promovida pela compra direta. O Sumá, nesse processo, coleta dados dos fornecedores e compradores. As informações obtidas são cruzadas para:
-Seleção de fornecedores com base na distância do ponto de entrega, com fim de reduzir custo com transporte;
-Curadoria sistematizada para avaliar se o fornecedor atende todos os requisitos estabelecidos pelo comprador;
– Atuação com base em saturação geográfica e volume das demandas locais;
-Compartilhamento de rotas entre fornecedores para fim de redução de custos;
Atualmente, a base de usuários do Sumá é constituída por 10 cooperativas com 1595 famílias e outras 90 famílias não cooperativadas. Além disso, eles contam com 103 compradores, sendo 78 prospectados pela equipe e 25 cadastros espontâneos de diversos estados brasileiros.
A tecnologia não como fim, mas como meio
“O Sumá usa tecnologia de forma intensiva, porém igualmente somos intensivo em capital humano, que permita a construção de relacionamentos duradouros baseados em confiança. Isso demanda tempo e requer acompanhamento constante”, explica Daiana.  Além disso, o Sumá segue os propósitos de movimentos como o Slow Food e o projeto Alimentos Bons, Limpos e Justos. “Incentivamos por parte dos compradores o consumo de alimentos produzidos localmente, respeitando sazonalidade e conhecendo a história do agricultor e do alimento”, completa.
Horizontes do Sumá
Por trabalharem com uma grande quantidade de dados dos usuários, o Sumá estuda fazer o uso da Inteligência Artificial. O uso de Inteligência Artificial, embora não apliquemos ainda, está em nosso roadmap para um horizonte breve. Com uso de Machine Learning e experiências compartilhadas visamos auxiliar tecnicamente os produtores na adoção das melhores práticas para rotatividade de plantio”, explica Daiana.
A organização enxerga nas tecnologias exponenciais um potencial para o empreendedorismo de impacto social no Brasil. De acordo com Daiana, “o uso adequado dessas tecnologias, respeitando a integridade física e moral das pessoas, bem como de toda natureza, elevará a humanidade a um novo nível de consciência”.

Social Good Brasil lança primeiro laboratório de tecnologias exponenciais para impacto social do país durante SingularityU Brasil Summit

 
 


Leia também

22 setembro 2021
Vai encarar um mergulho? Participe da 10ª edição do Festival SGB! E pegue a sua bússola para iniciar...
Ler Mais
16 setembro 2021
Desde o início, o Social Good Brasil buscou o pioneirismo: ao olhar para o que estava acontecendo no...
Ler Mais
16 setembro 2021
O Google é o maior site de buscas do mundo. A ideia veio a Larry Page e Sergey Brin nos anos 1990. Aí...
Ler Mais
10 agosto 2021
As inscrições para o SiSU (Sistema de Seleção Unificado) abriram no início de agosto. O sistema usa...
Ler Mais
28 julho 2021
Desde que iniciei a autoescola e toda a jornada para tirar a CNH, perdi as contas de quantas vezes coletaram...
Ler Mais

Leia também

Manifesto Festival SGB 2021
O que foi tendência no mundo nos últimos 10 anos e como essas temáticas foram abordadas no Festival SGB
CityMass
Trial Watch

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support