Nosso trabalho no futuro: mais comunicação, autonomia e transparência

Quando a máquina a vapor foi inventada, as relações de trabalho mudaram bruscamente: ao buscar no trabalhador a melhor produtividade, se criou um modelo de gestão baseado no controle e na repetição de um trabalho exaustivo. Ok, isso aconteceu há séculos e tudo deve estar diferente hoje, certo? Um pouco, mas não muito. Nas organizações mais conservadoras o funcionário ainda ocupa um único e isolado posto, trabalha muitas horas e individualmente, sem interação com os colegas e sem autonomia.
E o resultado disso? De acordo com a International Stress Management Association (Isma) 70% das pessoas no Brasil estão insatisfeitas com seu trabalho e 30% dos mais de 100 milhões de trabalhadores brasileiros sofrem com a síndrome de burnout (ou síndrome do esgotamento profissional). Em face a esses dados, organizações no Brasil e fora dele estão tentando mudar o cenário (ufa!) com um modelo de gestão baseado na horizontalidade.
O SGB é uma dessas organizações. Aqui a gente acredita no desenvolvimento tecnológico para solucionar problemas da sociedade. Mas sabemos que tão importante quanto a tecnologia é o ser humano que está por trás dela utilizando a empatia e a inovação para criar novos produtos.
Nas últimas edições do Festival SGB buscamos reunir outras pessoas e organizações que pensam como a gente: que o trabalho precisa de mais comunicação, interação, transparência, autonomia, empoderamento e propósito. Parceiros que veem a presença humana nos negócios como imprescindível e buscam saber quais as habilidades necessárias para o trabalho do futuro. Selecionamos três momentos bem legais do Festival SGB sobre o novo movimento de gestão das empresas e sobre o novo perfil de funcionário. Confira aí!
Painel propósito e flexibilidade: o futuro do trabalho
Neste painel, temos contato com representantes das empresas Perestroika e Impact Hub, que estão inovando nos formatos de gestão e organização, sem hierarquias e de forma descentralizada. A holocracia é um dos modelos mais falados para mudar as relações de trabalho. A ideia é que, se existe uma mudança de mentalidade nas organizações, também existe uma nova geração mais consciente, que busca alinhar propósito e impacto social ao seu trabalho. Para falar sobre propósito, o SGB chamou a Thamyra Thâmara da GatoMÍDIA.

Painel trabalho e tecnologia: como será no futuro
O Jeremy é pesquisador do Institute for the Future, no Vale do Silício. Ele veio no Festival SGB de 2017 para falar o que vai ser diferente no futuro em diversas áreas, incluindo como nos relacionamos com o trabalho. O Institute for the Future ajuda empresas e organizações na análise de tendências e, principalmente, disrupções que estão por vir e quebram os padrões já estabelecidos na sociedade.

Painel Habilidades do Futuro
Quais são as competências que precisamos desenvolver para lidar com as novas tecnologias e com o futuro que nos espera? A Darlene Damm, da Singularity University, e Adriana Barbosa, a fundadora de um dos maiores movimentos de afro-empreendedores da América Latina participaram do Festival SGB de 2016 falando sobre o comportamento e as habilidades que todos nós precisaremos estar atentos.

 


Leia também

Cientista de dados: por que é uma profissão do futuro
Caso SGB: como nos tornamos orientados por dados
4 competências de uma organização sem fins lucrativos orientada por dados
Como montar sua iniciativa de dados para impacto social

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support