Empoderada e inspiradora: Nina Silva e o Movimento Black Money no Festival SGB 2018

*Por Luize Ribas
Recebida ao som de muitos aplausos e alegria pelos presentes na Arena Inspiração do Festival Social Good Brasil 2018, Nina Silva, com muita energia e bom humor, representou o empoderamento feminino e inspirou verdadeiramente a todos com sua história
Executiva de TI há mais de 16 anos, ela é mentora, escritora e palestrante em temas como gestão de negócios, tecnologia, liderança e diversidade. Nina também é uma das 100 pessoas afrodescentes mais influentes do mundo com menos de 40 anos (Mipad, ONU).
Sim, aos 36 anos, ela tem uma história inspiradora e que a coloca em um lugar de destaque muito especial em nossa sociedade, mas para ela, isso não é o mais importante. O que Nina realmente quer é que outras pessoas negras também ocupem cada vez mais espaços que antes eram destinados apenas a um grupo restrito, aquele formado majoritariamente por “homens, brancos e héteros”.
O que Nina quer é mais diversidade nas empresas e com oportunidades reais e iguais para todos. Essa é uma das bandeiras que ela levanta. Além de uma questão social de extrema necessidade, em sua fala também mostrou dados que apontam que a maior diversidade é lucrativa para as empresas. Quando há diversidade de gênero, o lucro cresce em 21%, e quando há diversidade de raças, 33%.

Sobre ser negro no Brasil

Em uma rápida contextualização, Nina falou sobre o que significa ser negro no Brasil de hoje. Com números de mortalidade maiores do que pessoas brancas, salários menores e sendo as maiores vítimas da violência no Brasil, o cenário não é favorável. Só num rápido exemplo, segundo dados do IPEA, profissionais pardos e negros recebem a metade da média salarial de um profissional branco. Mas o que fazer com tanta desigualdade?
Para Nina Silva, uma dos 50 profissionais de TI mais influentes do país, a forma que ela encontrou foi “hackear o sistema”. Se há tanta discriminação e desigualdade para a população negra que representa a maior parte da população brasileira, o jeito encontrado por Nina para enfrentar isso foi (co)criando um movimento que busca formas de fomentar a educação, cultura, desenvolvimento e afroempreendedorismo por meios próprios criados com este fim.
“O que mais me impactou na fala da Nina foi o empoderamento dela e a sua iniciativa em fazer todo esse movimento”, apontou o empreendedor Alan Pereira. Blumenauense que mora em Florianópolis, ele é um dos tantos participantes do Festival SGB que se inspiraram com a história da Nina e com que ela e outros transformadores sociais e tecnológicos estão fazendo para mudar a realidade de muitas pessoas.

Movimento Black Money

O principal assunto da Nina no Festival SGB foi o Movimento Black Money, que, entre seus objetivos, visa desenvolver uma cultura de consumo afrocentrado e serviços financeiros para um ecossistema de afroempreendedorismo.
O Brasil possui cerca de 11 milhões de empreendedores afrodescendentes, segundo o Banco Interamericano de Desenvolvimento. Contudo, a maioria destes empreendedores, explica Nina, sente muitas dificuldades em conseguir crédito ou outros tipos de incentivo em instituições financeiras tradicionais.
E para preencher esse vazio há o D’Black Bank, fintech que a Nina Silva também é sócio-fundadora. A proposta desse banco é conectar consumidores e empreendedores e oferecer diversos serviços financeiros digitais com taxas justas e incentivos sociais para projetos educacionais.

Mulheres negras no centro

Além de incentivar o afroempreendedorismo, o Movimento Back Money também tem o foco na educação, comunicação e mídias com produção de conteúdos sobre inovação, tecnologias e finanças.
Um exemplo desse foco em educação é o Afreektech: mulheres negras no centro, programa criado para democratizar o ensino de tecnologias e fomentar o empreendedorismo entre mulheres negras. Atualmente, para que o Afreektech se concretize, está sendo realizada uma campanha de financiamento coletivo no site Benfeitoria, com a qual todos podemos contribuir. A campanha vai até o dia 29 de outubro de 2018.
Nina acredita na importância de termos como referência cada vez mais mulheres negras com forte atuação e destaque em diferentes áreas da sociedade para inspirar meninas negras de que sim, é possível elas serem o que quiserem. Nessa palestra empoderada e inspiradora, a contagiante Nina Silva também fez questão de lembrar e dizer: “Marielle, presente.”
O que você mais gostou de assistir no Festival SGB 2018? Comenta aqui!
*Jornalista formada pela Universidade Federal de Santa Catarina, Luize Ribas trabalha com marketing digital em Florianópolis e acredita no poder da comunicação para envolver e engajar as pessoas nas causas que importam.

Leia também

22 setembro 2021
Vai encarar um mergulho? Participe da 10ª edição do Festival SGB! E pegue a sua bússola para iniciar...
Ler Mais
16 setembro 2021
Desde o início, o Social Good Brasil buscou o pioneirismo: ao olhar para o que estava acontecendo no...
Ler Mais
16 setembro 2021
O Google é o maior site de buscas do mundo. A ideia veio a Larry Page e Sergey Brin nos anos 1990. Aí...
Ler Mais
10 agosto 2021
As inscrições para o SiSU (Sistema de Seleção Unificado) abriram no início de agosto. O sistema usa...
Ler Mais
28 julho 2021
Desde que iniciei a autoescola e toda a jornada para tirar a CNH, perdi as contas de quantas vezes coletaram...
Ler Mais

Leia também

Manifesto Festival SGB 2021
O que foi tendência no mundo nos últimos 10 anos e como essas temáticas foram abordadas no Festival SGB
Google Trends: como funciona essa ferramenta?
Cientista de dados: por que é uma profissão do futuro

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support