Janeiro Branco: como usar a tecnologia para o bem e apoiar as pessoas a cuidarem da saúde mental

O início de um novo ano é sempre aquele momento em que somos incentivados a olhar para o que passou e também refazer a lista de intenções (e esperanças) para o que está por vir. Em tempos de pandemia, trazendo mudanças significativas para as nossas vidas com o isolamento social e o distanciamento das pessoas que nos fazem bem, é importante estarmos atentos ao nosso bem-estar emocional. A campanha Janeiro Branco surgiu neste mês para falar sobre a importância da construção de uma cultura da Saúde Mental na humanidade.

Em sua 8ª edição, vem com uma missão ainda mais forte, pois nem todas as pessoas começaram 2021 com o mesmo ânimo e empolgação de outros anos. A campanha precisou adaptar as ações presenciais e usar a tecnologia para fazer o bem, alcançando pessoas a partir de lives ou palestras online, rodas de conversa por videoconferência, tira-dúvidas virtuais, além de postagens diárias nas redes sociais. É por isso que começamos o ano apoiando a campanha Janeiro Branco, mostrando como a tecnologia e os dados podem ser relevantes para o alcance do pacto social pela saúde mental.


Janeiro Branco: usando as redes sociais para fazer o bem

Iniciada em 2014 pelo psicólogo Leonardo Abrahão Pires Rezende, o movimento é formado por voluntários de todo Brasil que se engajam para disseminar informações e dados sobre saúde mental. Para Abrahão, “2020 foi um ano de provas, de desafios e de revelações em relação à Saúde Mental de todas as pessoas do mundo”.

Estudos e pesquisas não deixam dúvidas que os brasileiros estão enfrentando uma epidemia de saúde mental, devido aos efeitos colaterais da pandemia do Covid-19. Também não há dúvidas de que usar a tecnologia para o bem é muito importante para ajudar a resolver esse enorme problema social. Desde o início do SGB, em 2012, nós acreditamos na força que as pessoas têm para usar o poder na ponta dos dedos. 


O que os dados nos mostram sobre saúde mental

Os problemas de saúde mental são considerados a nova pandemia. A ansiedade, o estresse e a depressão passaram a ser vistas em pessoas próximas e distantes. Os dados mostram o aumento de casos no Brasil. São pessoas que precisam de ajuda e podem estar ao nosso lado – seja um vizinho, alguém do trabalho, um parente ou uma pessoa que está em alguma das suas redes sociais. Aliás, o uso excessivo delas também contribui para as pessoas se sentirem bem ou não. 

Promover a saúde mental e o bem-estar é parte do ODS 3 (Objetivo de Desenvolvimento Sustentável), da Fundação das Nações Unidas. Atualmente temos uma necessidade coletiva de enfrentar os problemas de saúde que vão além do nosso corpo e afetam a vida pessoal e profissional. No ambiente de trabalho estão os maiores índices de problemas de saúde mental, influenciando também nas taxas crescentes de suicídio no Brasil (o que alterou a redação desta meta global).

Leia mais: entenda o que é educação em dados e como eles influenciam na sua vida pessoal e profissional.


  • A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que quase 1 bilhão de pessoas vivem com transtorno mental, sendo a saúde mental uma das áreas mais negligenciadas da saúde pública. Agora, bilhões de pessoas em todo o mundo foram afetadas pela pandemia de Covid-19, que está causando um impacto adicional na saúde mental das pessoas.
  • Segundo a OMS, a pandemia interrompeu serviços essenciais de Saúde Mental em 93% dos países do mundo e, ao mesmo tempo, intensificou a procura por esses mesmos serviços (Fonte: Janeiro Branco)
  • Segundo a diretora da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), os países devem ampliar a oferta de serviços de saúde mental para lidar com os efeitos da pandemia. Além do impacto nos profissionais de saúde, pacientes positivos para Covid-19 tiveram insônia, delírio ou depressão
  • Uma pesquisa da UERJ sobre o comportamento dos brasileiros na quarentena aponta que casos de depressão dobraram entre os entrevistados, sendo que casos de ansiedade e estresse aumentaram 80% nesse período.
  • Outra pesquisa, realizada pela UFGRS, aponta que 68% da população tem sintomas depressivos, enquanto 80% dos brasileiros se tornaram mais ansiosos em meio à pandemia. 
  • No Brasil, a primeira fase de uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde no final de 2020 detectou ansiedade em 86,5% dos indivíduos pesquisados, transtorno de estresse pós-traumático em 45,5% e depressão grave em 16% dos participantes do estudo.

O uso de dados para o bem-estar emocional

Fernanda Bornhausen, que é psicóloga, co-fundadora e presidente voluntária do Social Good Brasil, deu uma entrevista sobre o tema para o programa SC no Ar, da Record TV. Ela reforça a importância da campanha janeiro branco, especialmente após analisar os dados alarmantes sobre saúde mental durante a pandemia e dá dicas de como podemos nos equilibrar através de hábitos saudáveis e apoio mútuo para superarmos o momento difícil que estamos vivendo. 

No início da pandemia Fernanda liderou mais de 100 voluntários criando produtos de inteligência de dados para resolver problemas sociais com metodologia SGB , como a sala de situação digital ou data for good Covid-19 (dados para o bem), que foi destaque de matéria de capa da Revista Exame como uma das 50 inovações da Pandemia. Ela e o time do SGB se surpreenderam ao ver e analisar diariamente os dados anonimizados sobre a Covid-19 em Santa Catarina que deixavam claro que haveria uma epidemia de saúde mental. 


Assista ao vídeo na íntegra:


YouTube

Ao carregar o vídeo, você concorda com a política de privacidade do YouTube.
Leia Mais

Carregar Vídeo


Leia mais: Campanha Janeiro Branco: um guia para usar a tecnologia a favor do seu bem-estar emocional


Ao longo do mês de janeiro, vamos ser voluntários e disseminadores da campanha Janeiro Branco com algumas ações. Queremos compartilhar com vocês dados sobre saúde mental no Brasil e no mundo, assim como soluções que usam a tecnologia para promover a Saúde Mental. Também vamos apoiar as pessoas nesse momento tão desafiador, mostrando como a tecnologia pode ser usada para promover a saúde mental e bem-estar. Fique ligado nas nossas redes sociais Instagram, Twitter e Facebook.

Quer entender mais sobre Educação em Dados? Tem uma trilha de vídeos do Festival SGB pra você maratonar no nosso canal do Youtube.

Você também pode acessar a nossa Plataforma de Educação em Dados ou se inscrever aqui para participar de uma jornada de educação em dados que lançaremos em breve.

Agradecemos muito pela leitura e todo feedback é super bem-vindo! Feedback é dado, afinal!

Leia também

20 outubro 2021
Criamos na programação do Festival SGB, uma trilha de aprendizagem que pode servir de inspiração para...
Ler Mais
20 outubro 2021
O Festival SGB tem uma trilha especial para gestores públicos que possam se interessar nos conteúdos...
Ler Mais
20 outubro 2021
riamos uma trilha de aprendizagem que vai te ajudar a guiar sua experiência pelo Festival SGB 2021.
Ler Mais
20 outubro 2021
O Festival SGB surgiu para você a ficar por dentro de tudo é tendência sobre os assuntos que envolvem...
Ler Mais
11 outubro 2021
A partir da semente plantada no 1º Festival que podemos dizer que somos o maior evento de tecnologia...
Ler Mais

Leia também

Habilidados: 5 motivos para assistir à nova série
Tecnologia e Dados: 7 cases de impacto social
O que é Data Storytelling: saiba como contar histórias usando dados
O futuro do trabalho na era digital

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support