Tecnologia e Dados: 7 cases de impacto social

“Dados abertos podem salvar vidas”. A frase que estampou a primeira página do site do painel Transparência Covid-19, atualizado entre fevereiro e junho deste ano, traduz aquilo que por aqui a gente já sabia: tecnologia e dados são capazes de causar um impacto social gigante. O portal é aberto em um momento emblemático de nossos tempos: em 2020, máscaras e álcool em gel se tornaram parte do vocabulário e da vida de todo mundo. A pandemia estampou não só nossa fragilidade enquanto sociedade e seres humanos, mostrou também a urgência de aprender a lidar – com informações, com tecnologias e, acima de tudo, com pessoas. 

Apresentamos aqui 7 cases que, assim como o Transparência Covid-19, usam a tecnologia e os dados para gerar impacto social.

Mas antes, como tecnologias e dados são usados para causar impacto, na prática?

Imagine a campanha de vacinação contra a Covid-19. Em muitos estados e municípios, postos de vacinação têm de lidar com erros na quantidade de doses: se em defasagem ou em demasia, os erros de contagem – e consequente atraso nos processos de imunização – são, por vezes, causados pela falta de informação sobre a população local – como faixa etária, comorbidades e profissão. Sem uma pesquisa recente e completa, políticas públicas carecem de dados que possam guiar as escolhas e distribuições.

Assim como para políticas públicas, ter disponíveis dados e a tecnologia necessária pode impactar positivamente diversos setores da sociedade.

Foi pensando no potencial transformador da tecnologia que surgiu o Tech for Good (tecnologia para o bem), movimento de pessoas que se propõem a pensar um futuro em que a tecnologia ajude a compor o caminho para mudanças positivas na sociedade. Em um período em que na palma da mão cabe quase toda informação sobre si e sobre outros, é aí também que podemos buscar soluções para problemáticas de hoje, do ontem e do amanhã.

Então começa nossa história…

O Social Good Brasil surgiu em 2012, trazendo para o país o movimento mundial Tech for Good, que na época falava do uso das novas mídias para o bem. Ao longo dos anos, o SGB, atento às tendências e também aos desafios do mundo, trouxe novamente outra temática importante para a agenda dos brasileiros, o Data for Good (dados para o bem). 

Em 2021, o propósito do Social Good Brasil é democratizar a educação em dados no país, ou seja, levando a fluência em dados para todas as pessoas, tornando acessível e popular um idioma essencial para o mundo digital e para o futuro do trabalho. Para ajudar as pessoas a navegarem no oceano de dados, criamos uma jornada, baseada em nossa metodologia inovadora e exclusiva de Educação em Dados para pessoas, organizações e governos. Do primeiro contato de quem está aprendendo a nadar no mar até a experiência profunda de quem já navega bem nesse oceano de dados.

Confira nossa seleção de 7 iniciativas inspiradoras que aliam dados e impacto social

1. Transparência Covid-19

Site Transparência Covid

O ano de 2020 pegou todo mundo de surpresa. Diante da pandemia de Covid-19, consequentes crises, medidas sanitárias por vezes improvisadas, enfrentar o desconhecido foi um desafio global. Mas, mesmo após um ano de cenário pandêmico, dados sobre a ocupação dos leitos hospitalares e disponibilidade das UTIs no Brasil ainda não chegavam, o que dificulta – e até impede – a alocação de recursos e socorro para suprir a demanda, além de deixar no escuro a maior parte da população.

É nessa conjuntura que o portal Transparência Covid-19 aparece, em fevereiro de 2021, para divulgar “uma fotografia” diária de como nossos hospitais estão enfrentando a pandemia. O painel (parte da Open Knowledge Brasil*) reúne e trata os dados da API (Application Programming Interface, ou, em português, Interface de Programação de Aplicação) que passou a ser divulgada pelo Ministério da Saúde somente esse ano.

A iniciativa entra na lista como pioneira e combativa frente à desinformação, unindo tecnologia e humanidade para salvar vidas. No site da Transparência Covid-19 era possível acessar e baixar dados, relatórios e gráficos que fazem a cobertura da pandemia, da ocupação dos hospitais ao andamento da vacinação. O painel, que era atualizado todos os dias, aguarda a retomada da divulgação dos dados pelo Ministério da Saúde para voltar a sustentá-lo.

2. Amazônia Legal em dados

Site Amazônia Legal em Dados

Um problema mais antigo que a pandemia. Uma solução que sempre reluta em chegar. O desmatamento da Amazônia é apenas um entre os obstáculos enfrentados pelos nove estados da Amazônia Legal. Os 5 milhões de quilômetros quadrados parecem menores quando falamos de políticas públicas: índices de segurança, saúde e educação são piores na região na comparação com as médias brasileiras. Esses e outros oito temas formam o painel de 113 indicadores liberados livremente pelo portal Amazônia Legal em Dados.

Fomentada pela iniciativa Concertação pela Amazônia, o site estuda a pluralidade da região que é enorme não só em tamanho, mas também esbanja extensão em cultura, população e em desafios próprios. A partir do entendimento, por meio de dados, das singularidades do Norte, a ferramenta oferece análises da última década e projeta indicadores até 2030.

Disponíveis a qualquer cidadão, as informações da Amazônia Legal em Dados ajudam governos, entes públicos, privados, filantrópicos e organizações a desenvolverem soluções reais e palpáveis para quase 30 milhões de pessoas da região e para tantas outras em todo o globo.

3. Elas no congresso

Site Elas no Congresso

Ainda na linha do tempo, vamos voltar um pouco mais. Para entender a pauta da Elas no Congresso, retomamos anos de história – e também de luta – dos direitos da mulher. Se no papel chegou em 1822, a independência do Brasil tardou muito mais para a maior parte dos brasileiros e, especialmente, das brasileiras. Somente mais de cem anos depois, na década de 1930, mulheres conquistaram o direito ao voto no país. E precisamos de mais décadas e muito levantar de voz para resgatar direitos que são, acima de tudo, humanos.

Sabendo da importância de leis como a Maria da Penha, de 2006, e a Lei do Feminicídio, de 2015, a Revista AzMIna lança, no ano passado, a iniciativa para cobrar atuação real frente à temática. No site você confere o ranking de parlamentares de acordo com seu impacto e relevância para questões de gênero. Além disso, Elas no Congresso monitora, através de um robô no Twiiter, a tramitação de leis e divulga conteúdos sobre como o assunto está sendo tratado no poder legislativo.

Tudo isso usando dados. O projeto oferece toda a base de informações, a metodologia detalhada e o código fonte do bot, comprometido em difundir o conhecimento em tecnologias de maneira transparente e aberta para provocar ainda mais impacto social.

4. CIEB

Site CIEB

O CIEB (Centro de Inovação para Educação Brasileira), como seu nome evidencia, é uma organização que se propõe, desde 2016, a resolver defasagens históricas da educação do nosso país usando tecnologias voltadas para o bem. O centro estuda metodologias e fomenta o uso de ferramentas tecnológicas visando a impactar positivamente alunos e professores. Em um momento em que o ensino remoto ganhou destaque no “novo normal”, fica clara a necessidade de saber usar os recursos como aliados na experiência educacional, mesmo após esse período.

Sem fins lucrativos, a associação opera realizando diagnósticos da educação no país, do uso de tecnologias por docentes e discentes e da infraestrutura de escolas públicas e privadas. A partir desses dados, estuda e confecciona soluções usando tecnologias. São guias, diretrizes e referências sobre a aplicação adequada das ferramentas, abertos para download no site.

Em 2019, o CIEB contribuiu para a Base Nacional Docente (BND) e prestou apoio técnico à Secretaria de Educação de São Paulo, norteados pelo conhecimento tecnológico para tomadas de decisão com maiores chances de sucesso.

5. Open Data Index

Site Open Data Index

Dados abertos são o primeiro passo para a difusão da informação e a porta para a transparência. Contudo, a dificuldade em catalogá-los e a sua enorme quantidade podem distanciar o objetivo: promover acesso. Por isso, o Índice da Dados Abertos, ou Open Data Index, foi criado, através da parceria entre a Open Knowledge Brasil e a Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV-DAPP)

O projeto coleta e avalia dados de governos e municípios, construindo indicadores que façam sentido na lógica de cada um deles. Assim, é possível enxergar o cenário com clareza e tomar decisões mais precisas para solucionar questões tangentes a logística, educação, saúde e segurança. O portal busca unir o melhor da informação ao melhor de gestores e cidadãos.

6. Atados

Site Atados

Um match entre voluntários e organizações de impacto. A proposta da plataforma Atados é criar uma rede de iniciativas em causas sociais. Mais que ajudar ONGs a encontrar suas demandas e buscar pessoas interessadas em trabalhar em cima delas, Atados disponibiliza materiais e conteúdos e promove encontros que fortaleçam a rede.

Usando a tecnologia para impactar positivamente causas e grupos sociais, a plataforma fomenta e facilita que projetos para o bem surjam em todo o país. Os dados coletados ao longo de cada projeto são usados para aprimorar outros, abrindo possibilidades de planos de impacto socioambiental. No site, você pode encontrar causas de seu interesse, se voluntariar e cadastrar sua ONG para se conectar à rede.

7. Fa.vela

Site Fa.vela

O hub é lançado ao mundo para navegar: fa.vela surgiu por entender a importância e a necessidade de promover educação. A organização mineira existe desde 2014 e atua no setor 2.5 – é um negócio de impacto social. É uma rede liderada por empreendedoras e empreendedores que atua para a erradicação da pobreza e educação de qualidade, dois dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. 

Feito por e para negros/as, LGBTs e pessoas periféricas, fa.vela já impactou mais de 10 mil vidas. Corres como perifa60+ e morrobótica promovem tecnologia e educação para mudar a história de pessoas em vulnerabilidade social. Perifa60 é o programa que oferece aprendizado em habilidades digitais para a população periférica, negra e LGBT acima de 60 anos. Morrobótica atua na formação de jovens para o futuro da era tech, com letramento tecnológico e competência empreendedora. Fa.vela é movida por ventos de um impacto gigante.

Bônus: Open Knowledge Brasil

Chegamos ao final da lista deixando um bônus a quem quiser conhecer mais dos movimentos pela difusão do conhecimento de dados no Brasil, além do Social Good Brasil, que oferece formações e eventos para educação em dados, o Data for Good e nossos quatro cases.

Em operação desde 2013, a Open Knowledge Brasil, ou Rede pelo Conhecimento Livre, é uma Organização da Sociedade Civil (OSC) fundada para promover a relação de pessoas com as tecnologias. A OKBR abre para livre acesso dados e códigos fonte, incentivando transparência e alcance.

Lembra do Transparência Covid-19, do começo do artigo? Ele é parte do escopo da OKBR, selo que você encontra ao final da página do painel e de todos os projetos ligados à organização. A missão é ativar pessoas e ideias para causar impacto social através do conhecimento e dos dados. 

Vale a pena conhecer a Operação Serenata de Amor (confira sua participação no Festival SGB em 2017), projeto que usa ciência de dados para fiscalizar gastos públicos, e a Escola de Dados, programa voltado à alfabetização de dados para o jornalismo, movimentos e agentes públicos – e a quem mais se interessar.

Um oceano profundo: mergulhar é preciso

Os dados estão por toda parte, produzimos uma quantidade enorme deles o tempo inteiro, e eles podem ser usados para gerar impacto social. Mesmo assim, é comum aparecer um receio frente a esse desconhecido que é o oceano de dados, de linguagens, de informações. Muita gente se sente intimidada e não se arrisca a lidar com eles: pode ser medo de não saber manusear ou desconfiança com a falta de proteção e privacidade.

É preciso expandir a visão sobre dados. Se por um lado muito ouvimos falar em vazamentos de informações e o uso arbitrário de nossas preferências pessoais, a compreensão e a consciência de como evitá-los vem ganhando debates no mundo todo. No Brasil, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e iniciativas difusoras de informação consciente combatem sua manipulação indevida.

Garantir ética, proteção e privacidade e utilizar dados e tecnologia para gerar impacto positivo são competências que o SGB acredita serem essenciais para o futuro. Conheça essas e outras habilidades que apontam para um amanhã em que o oceano dos dados seja cada vez mais navegável.

Esse texto fez sentido para você?

Se sim, fica aqui o convite para que você se junte a nós nesse grande movimento para democratizar a Educação em Dados no Brasil!

Inscreva-se gratuitamente para participar do Festival SGB 365, uma pílula do Festival SGB, o maior evento de dados e tecnologia para impacto social do Brasil. O evento acontecerá online no dia 24/06/2021 das 9h às 21h30.

Fique ligado nas nossas redes sociais Instagram, Linkedin, Twitter e Youtube.

Agradecemos muito pela leitura e todo feedback é super bem-vindo! Feedback é dado, afinal!

Leia também

Habilidados: 5 motivos para assistir à nova série
Tecnologia e Dados: 7 cases de impacto social
O que é Data Storytelling: saiba como contar histórias usando dados
O futuro do trabalho na era digital

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support