4 projetos de incentivo ao empreendedorismo negro que você precisa conhecer

Todos os dias é preciso lembrar que a desigualdade, em nosso país, tem cor. De acordo com o IBGE, a renda média do trabalho de negros e negras no Brasil – 54% da nossa população – é de R$ 1.570, o que representa menos da metade do salário dos brancos, de R$ 2.814.  A taxa de analfabetismo de negros, 9,9%, é mais que do o dobro do índice da população branca, de 4,2%.
Um dos motivos da perpetuação da segregação social no Brasil é o racismo. Diferente do que muitos pensam, racismo é diferente de preconceito. A discriminação racial é uma manutenção da hierarquia de privilégios de brancos perante negros. Um exemplo: a próxima Câmara de Deputados tem somente 24,2% de parlamentares não brancos, enquanto o número de homicídios de negros cresceu 23,1% entre os anos de 2006 e 2016.
Nos espaços de incentivo ao empreendedorismo e ao protagonismo na sociedade, a representatividade também é pouca e o discurso é geralmente voltado ao homem branco. “Aquilo que vocês chamam de empreendedorismo, a periferia sempre chamou de sobrevivência”, conta Monique Evelle, no Festival Social Good Brasil 2016.
No Brasil, os afroempreendedores começam a trabalhar antes dos 18 anos e têm muito menos oportunidades de receber investimentos para desenvolverem suas ideias e empresas. Contudo, para mudar esse cenário, pessoas e organizações desenvolveram iniciativas que expandem as possibilidades da população negra na inovação.
 
Aqui listamos quatro projetos incríveis em nossa sociedade:

Vale do Dendê: 

Com o tema “nosso silício é o dendê”, a organização baiana Vale do Dendê é uma holding social destinada a fomentar ecossistemas de inovação e criatividade com foco em diversidade. Atuando especialmente no fomento ao ecossistema de Salvador, Bahia, o grupo vem desenvolvendo ações em três pilares:

  1. Investindo em negócios de impacto social e econômico por meio da Aceleradora Vale do Dendê;
  2. Formando talentos criativos por meio da Vale do Dendê Academy
  3. Prestando serviços para órgãos públicos e privados por meio de uma consultoria de estratégia

Eles também foram os criadores da Ocupação Afro Futurista, em Salvador, para fomentar a criatividade e o empreendedorismo da população negra baiana.
O criador da Vale do Dendê, Paulo Rogério Nunes, é considerado pela organização MIPAD ligada a ONU como um dos 100 afrodescendentes mais influentes do mundo. Ele palestrou no Festival SGB 2018 sobre o tema “comunidades”. Assista:

Movimento Black Money e Start Black Up:

O Movimento Black Money tem como objetivo estimular o desenvolvimento do afroempreendedorismo jovem. Com foco em comunicação, educação e mídias, a organização produz conteúdos nas áreas de inovação, tecnologia e finanças; além de ofertar cursos de curta duração nas áreas de marketing, gestão e tecnologia.
A comunidade de eventos e networking do Movimento Black Money se chama Start Black Up (SBU). O SBU são eventos para empreendedores e profissionais que desejam começar ou melhorar seus negócios (Start), dentro de uma pauta identitária (Black) com a finalidade de juntar talentos, formar network e incentivar a conexão com investidores que auxiliem a ignição de novos empreendimentos (Up).
A fundadora do Movimento Black Money, Nina Silva, é reconhecida como uma dos 50 profissionais de tecnologia mais influenciadoras do Brasil. Confira a palestra de Nina Silva no Festival Social Good Brasil 2018:

Instituto Feira Preta:

O Instituto Feira Preta faz o mapeamento do afro-empreendedorismo no Brasil. Como aceleradoras e incubadoras de negócios negros em diferentes segmentos, articulam o black money e promovem a educação empreendedora. As atividades do Instituto estão distribuídas em todo o território brasileiro. Adriana Barbosa, fundadora do Instituto Feira Preta, recebeu o prêmio do MIPAD por estar entre os 51 negros com menos de 40 anos mais influentes do mundo em 2017.
A Adriana participou do Festival Social Good Brasil 2017. Clique:

Desabafo social e Fazedores BR:

A Desabafo Social é uma organização que utiliza a comunicação e novas tecnologias para promover Educação em Direitos humanos através de formação e produção de conteúdo. Através do projeto Fazedores BR, vinculado ao Desabafo Social, busca-se promover uma imersão em Direitos Humanos e Produção de Mídias.
A Monique Evelle participou do Festival Social Good Brasil 2016 para contar que existe (muito!) empreendedorismo fora da bolha. Ela também contou sobre sua experiência de montar o Desabafo Social:

E você conhece algum outro projeto que incentiva o empreendedorismo negro? Compartilha com a gente!

Leia também

01 dezembro 2021
Assista ao 2º episódio da série Habilidados, do SGB e saiba como trabalhar com dados e como isso pode...
Ler Mais
01 dezembro 2021
O tema foi pauta da série Habilidados, do SGB, criada para ajudar as pessoas a darem seus primeiros mergulhos...
Ler Mais
19 novembro 2021
No Brasil, o contingente de mulheres empreendedoras endossa a importância do dia comemorativo.
Ler Mais
18 novembro 2021
O Banco Central estima que mais de 45 milhões de pessoas que não realizavam transações eletrônicas agora...
Ler Mais
16 novembro 2021
Social Good Brasil ganha prêmio que reconhece contribuição para alcançar os Objetivos do Desenvolvimento...
Ler Mais

Leia também

5 dados que explicam a relevância do empreendedorismo feminino
Case: Conheça o projeto que usou dados para o combate à Covid-19 e foi vencedor do Prêmio ODS SC
O futuro da educação, acesso e inclusão na Era dos Dados: veja a trilha do Festival SGB para professores e alunos
Transparência e uso de dados para tomada de decisões: veja a trilha do Festival SGB para gestores públicos

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support