| | | | | | | | | | |

O poder dos dados para organizações, negócios e iniciativas de impacto social

Palestrantes do Festival SGB 2018 debatem sobre o uso de dados para enfrentar desafios históricos

Quando falamos em exponencializar impacto social, temos que estar abertos para aprender a utilizar todas as ferramentas que têm o potencial de aumentar o alcance das iniciativas sociais. Apresentado durante o Festival Social Good Brasil 2018, o painel “Data for Good” trouxe três palestrantes que trabalham no dia-a-dia inovando para resolver problemas da sociedade. Andrew Means, fundador da Data Analysts for Social Good, Jaqueline Buckstegge, do IBPAD, e Fábio Santos, da Letrus, entendem e utilizam a força da ciência de dados para causas como educação e defesa dos direitos humanos: eles aplicam o Data for Good.
Andrew Means é uma das maiores referências mundiais no uso de dados para impacto social. Durante sua carreira, ele se dedicou a criar ferramentas de dados mais eficientes para ajudar organizações a aumentarem seu impacto social no mundo. O painel “Data for Good” foi a segunda vez em que ele esteve no palco do Festival SGB. Andrew foi keynote speaker na edição de 2017 do evento, falando sobre como o uso de dados pode ajudar a combater o tráfico de seres humanos no mundo. Neste ano, ele focou em explicar para organizações sobre a importância e o desafio de tornar-se Data for Good.
“Há tantos problemas que os dados podem nos ajudar a solucionar. Devemos estar abertos a usar qualquer ferramenta disponível e, para nós, os dados podem ser muito poderosos”, fala Andrew, após explicar o que é o Movimento Data for Good. Para o fundador da Data Analysts for Social Good, o primeiro passo para as organizações usarem os dados para impacto social é mudar e investir na cultura da organização:
“Você tem uma cultura que é indagadora e que quer desafiar as decisões que estão tomando? O sinal de que vocês estão entrando para o Data for Good é quando a organização começa a utilizar os dados e as evidências interpretadas neles para tomar decisões. Tudo começa com o desejo e vontade de aprender e indagar sobre a forma como sua organização trabalha. Esse tipo de investimento cultural é a melhor forma para se começar”, diz Andrew Means.

Da esquerda para a direita, Fabio Santos, Jaqueline Buckstegge e Andrew Means no Festival SGB 2018

Exemplos de uso de dados para impacto no Brasil
O painel também trouxe dois brasileiros para falar como os dados, na prática, podem ajudar os brasileiros a melhorarem a realidade em que vivem.
Jaqueline Buckstegge é Pesquisadora e Professora no Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados (IBPAD), com foco em comportamento político digital. Durante sua trajetória profissional, ela trabalhou com educação em metodologia de pesquisa e análise de dados, e recentemente começou a adaptar a metodologia de ensino para comunidades quilombolas no Pará. “Conhecimento é poder. O meu papel é tradução. Ensino o uso de dados de uma forma com que todos entendam. Dados são conexão e dados são autoconhecimento”, fala Jaque no palco no Festival SGB 2018.
A pesquisadora do IBPAD reforça a fala de Andrew Means sobre como os dados são importantes para solucionar problemas sociais. Ela explica a importância de formar disseminadores do conhecimento sobre o uso de dados para populações como as ribeirinhas, indígenas e de baixa renda. “Há profissionais capacitados em grandes centros, mas não temos nessas populações. Temos que começar a empoderar de verdade”. Jaque e o IBPAD ensinam, com outra linguagem, comunidades a utilizarem dados para, eles próprios, interpretarem e solucionarem seus problemas.
Clique aqui para assistir ao streaming do segundo dia do Festival Social Good Brasil 2018 e conferir o painel Data for Good.
Fábio Santos utiliza o Data for Good no negócio social em que trabalha, a Letrus, que é focada em melhorar a capacidade de escrita de alunos de todo Brasil. E como eles fazem isso? Através de uma inteligência artificial que analisa, com o uso de dados, redações de estudantes e identificam as principais dificuldades dos alunos. “Dentro de um texto, a gente começa a perceber que os estudantes deixam pistas desse aprendizado”, conta Fabinho.
A tecnologia da Letrus faz uma leitura nas redações e entrega, para os professores, um relatório sobre as “pistas” que os alunos deixaram. “Depois de ter todos os dados, a gente consegue oferecer pras redes de ensino e poder público onde a gente pode melhorar”. No entanto, Fábio deixa explícito que a aula e as metodologias continuam sendo do professor. De acordo com o empreendedor, o que a tecnologia faz é auxiliar os profissionais e o poder público na tomada de decisões e na identificação dos potenciais e dificuldades existentes. Dessa forma, contribui para entender demandas específicas das regiões e contribui com melhorias na educação.

Leia também

01 dezembro 2021
Assista ao 2º episódio da série Habilidados, do SGB e saiba como trabalhar com dados e como isso pode...
Ler Mais
01 dezembro 2021
O tema foi pauta da série Habilidados, do SGB, criada para ajudar as pessoas a darem seus primeiros mergulhos...
Ler Mais
19 novembro 2021
No Brasil, o contingente de mulheres empreendedoras endossa a importância do dia comemorativo.
Ler Mais
18 novembro 2021
O Banco Central estima que mais de 45 milhões de pessoas que não realizavam transações eletrônicas agora...
Ler Mais
16 novembro 2021
Social Good Brasil ganha prêmio que reconhece contribuição para alcançar os Objetivos do Desenvolvimento...
Ler Mais

Leia também

Como escolher uma profissão?
O celular pode te ouvir?
5 dados que explicam a relevância do empreendedorismo feminino
O Pix em dados - Veja o que dizem os números após o primeiro ano de implantação do sistema

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário

| | | | | | | | | | |
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support